quarta-feira, 27 de maio de 2009

Fornication Under Consent of the King

Casamento gay. De repente é um assunto muito em voga. Há heterossexuais a favor e outros contra. Há mesmo gays contra o casamento gay. A igreja, como é óbvio, é contra. Os partidos de direita são contra, os de esquerda mais de extrema, são a favor, os partidos "neutros" não se manifestam ou se enterram com desculpas esfarrapadas.

As pessoas podem e devem ter opiniões, estarem contra ou a favor do que bem entenderem. Isso não me incomoda. O que me incomoda é o preconceito infundado, que existe para todo o lado e é um dos maiores defeitos humanos. Porém o estrago que faz chega a ser indecente. O preconceito tem o poder de destruir a vida de qualquer pessoa, seja ela gay, negra, hispânica, imigrante, cigana, desabrigada, doente, solteira, divorciada, religiosa, atéia, vegetariana, prostituta, virgem...nossa, é melhor parar, pois a lista é interminável. É de se estranhar que o preconceito não tenha sido um dos 7 pecados capitais. Provavelmente a preguiça deve fazer muito mais mal ao próximo do que o preconceito. Ou a igreja não quis dar um tiro no pé... O preconceito é inerente ao homem, e admiro muito aquele que não tenha um pingo de preconceito. Eu tenho vários, mas juro que a cada dia eu tento acabar com pelo menos um deles.

Moving on... Há quem diga que não tem preconceito algum, mas que o casamento é a benção de Deus/igreja ao matrimônio, e que isso é para ser entre um homem e uma mulher porque está escrito assim. Outros dizem achar deprimente que os gays, tão liberais, lutem por um direito tão conservador como o casamento.

Ahá! Era aí que eu queria chegar: DIREITO, ou sem muito rodeio, DIREITO DE AMAR. De repente há pessoas aí querendo proibir outras pessoas de amar, e de viver junto com quem ama, e de se casar com a pessoa amada. E de ter os direitos que toda a pessoa amada e casada tem. O ser humano terá muito que aprender para chegar ao ponto em que não precise proibir outro ser humano de amar quem quer que seja. E para aprender de uma vez por todas que, querendo ou não, ninguém consegue proibir um ser humano de amar quem bem entender.

até lá, achei óptima a letra da música da Lily Allen "Fuck You" e do que o http://www.GayClic.com fez com ela no dia mundial de combate a homofobia (17 de Maio, anota aí, nem eu sabia!)




Fuck You (Very Much)
Songwriters: Allen, Lily Rose; Kurstin, Gregory; Look inside, look inside your tiny mind

Look inside
Look inside your tiny mind
Now look a bit harder
Cause we're so uninspired,
so sick and tired
of all the hatred you harbour.


So you say it's not okay to be gay
Well, I think you're just evil
You're just some racist who can't tie my laces
Your point of view is medieval

Fuck you, fuck you very, very much
'Cause we hate what you do
And we hate your whole crew
So please don't stay in touch

Fuck you, fuck you very, very much
'Cause your words don't translate
And it's getting quite late
So please don't stay in touch

Do you get, do you get a little kick
Out of being small minded?
You want to be like your father
It's approval you're after
Well, that's not how you find it

Do you, do you really enjoy
Living a life that's so hateful?
'Cause there's a hole where your soul should be
You're losing control a bit
And it's really distasteful

(chorus)

You say you think we need to go to war
Well, you're already in one
'Cause it's people like you that need to get slew
No one wants your opinion


(chorus)

Tradução em português aqui

Outro vídeo interessante é o IDAHO 2009: One Voice, One Message, Heard Around the World

5 comentários:

Borboleta disse...

Caramba, eu poderia escrever tanto sobre o casamento gay! Vou limitar-me ao óbvio, que tu já referiste: o casamento não é só um sacramento religioso que une homem e mulher; é, desde há muito tempo, um acto civil e juridicamente vinculativo entre duas pessoas, que lhes concede direitos, nomeadamente, o direito a amar, a estar próximo, a cuidar.
Tudo o que é diferente pode gerar preconceitos - o truque, creio eu, é ter humildade para saber que não sabemos tudo, ter a decência de pensar que humanos somos todos, independentemente das nossas diferenças e ter a imaginação suficiente para conseguirmos colocar-nos no papel do outro.
Gostei muito do texto. Continuaremos esta conversa ao almoço, num destes dias. beijos!

Gay Alpha disse...

Depois de ler seu post e seu comment só me resta dizer: ainda bem que eu também vim dar aqui (lindo isso de vir "dar" aqui... hahaha)!!! Como vc foi muito gentil e delicado nas suas palavras - e tb é gaúcho [me explica isso?!?] - vou me permitir uma inconfidência... Não me pergunte pq e nem como, mas alguma coisa em ti é muito, mas muito atraente! Prontofalei!!! Hehehe!!! Venha me visitar mais vezes!!! Hugzzz!!!

Nine Stecanella disse...

Realmente comlicado a questão de preconceito. Ainda mais porque tudo hoje é motivo pra ser excluído. Até mesmo coisas como bairro, escola profissão.

Isa disse...

Preconceito é a ideia pré estabelecida de um conceito, logo vamos acumulando vários ao longo das nossas vidas, a maioria deles por herança cultural, mas como seres pensantes, se bem pensarmos e abrirmos os olhos conseguimos alterar o preconceito e criar um novo conceito. Apeteceu-me filosofar...
Depois quanto ao casamento gay, se efectivamente vivessemos num estado laico e liberal o assunto nem era abordado - quer casar, casa independente do género.

Gay Alpha disse...

Que bom que vc voltou.... Agora... deglute logo meu comment e me diz alguma coisa... Daí, depois de digerirmos isso, podemos - quem sabe - passar para a sobremesa?! Hehehehe!!! Abraços!!!!