quarta-feira, 29 de abril de 2009

Quando o Amor Termina



Quando o amor termina, há despressurização do ar. Perdemos o chão e somos lançados para todas as direcções, sem podermos nos agarrar a nada, não por má vontade, mas porque nada consegue nos manter em terra por muito tempo.
Quando o amor termina somos destituídos de toda a nossa bagagem de uma longa viagem, e às vezes nem temos tempo de trazer uma mala de colo. Por outro lado, quando o amor termina, há de se aliviar o peso, perder a bagagem, pois, se tivermos alguma sorte, ainda teremos força somente para carregarmos a nós mesmos. Devemos simplificar nossas horas, nossos dias, porque a energia se desvanece com facilidade. Temos de nos preservar.
Quando o amor termina, tempos direito a choro infinito, a colo, a mimos, a tudo que sirva para nos apaziguar. Chorar muito até não haver mais razão para tal.
Quando o amor termina, assim que pudermos, é mister que nos perdoemos, antes que nos enchamos de culpa por algo que não poderíamos ter controle, antes que culpemos outros pelo que não podemos nos culpar. Temos de seguir em frente e, na impossibilidade, seguir para cima, para baixo, para os lados, não importa para onde, só não devemos nunca voltar para trás. O que está atrás é imutável, é doloroso, é passado. Se tentarmos mexer no passado, o passado voltará a mexer connosco.
Quando o amor termina, temos de dar um tempo do amor. Cada amor é único, singular, irrepetível, irreproduzível. Para voltar a amar, temos que desaprendê-lo antes. Amar é a única coisa que não se reaprende com lições passadas.
Quando termina o amor deves lembrar que antes do amor, tu existias. E foi contigo e por ti, que o amor começou.

7 comentários:

Borboleta disse...

(de pé!)
clap, clap, clap!

Gay Alpha disse...

Me junto aos aplausos!!!
clap. clap, clap
Saber que antes de qualquer amor nós já existiamos é regra de ouro-master!!! Muito bem escrito seu texto!!! Endosso!!!
Sobre seu comment no meu post sobre a anatomia masculina: concordo!!! É ótimo qdo "ele" não cabe na mão... o que me faz pensar no teu nick "bighand"... afff... suei!!! Hahahahaha!!!
Hugz, man!!! E volte sempre!!!

Anônimo disse...

Ainda há muito choro pela frente. Mas acima de tudo ainda há muito para viver.
Obrigado Amigão!

CG

Alberto disse...

Muito lindo seu blog!
Quanto a esta história de não caber na mão!!!
Juzuis!!!
meeeeeeeeeeeeeeeeeeedo

Isa disse...

Pois agora já li e acho que é isso mesmo...gosto particularmente da parte de "dar um tempo ao amor".
É isso mesmo!!! Muito bom.

Ella disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ella disse...

Oi, encontrei seu blog por acaso enquanto fazia uma pesquisa no google. Seu texto realmente me emocionou. Parabéns pelo texto e pelo blog.
Um abraço