segunda-feira, 23 de março de 2009

Casa dos Espelhos


"Cuidado com o que você pensa que sabe sobre alguém; provavelmente você está enganado"
Dexter T3 ep.4.


A complexidade de cada pessoa vai além do que podemos compreender ou decifrar, sendo essa parte que nos é obscura a que nós propositadamente ignoramos. Ninguém se conhece por inteiro, e ninguém se mostra por completo, e isso também não ajuda a conhecermos um ao outro. Tamanha dificuldade faz-me questionar se realmente precisamos conhecer alguém, ou se talvez a única coisa que precisamos mesmo é saber que há razões, mais nada. Se não conhecemos, não podemos julgar, embora mesmo assim o façamos. Isso leva ao erro, à desentendimentos, a discussões bobas e chatas, que minam amizades e relações. Raras são as vezes que, ao ficarmos aborrecidos com alguém, a causa é sequer razoavelmente válida; É simplesmente uma sucessão de mal-entendidos, e cada vez mais há menos paciência para mal-entendidos, e menos paciência para quem provoca em nós os mal-entendidos. Ao invés de contar até trés, preferimos nem dizer Adeus.

Todos nós somos superficiais, e não digo isso no mal sentido. Há, dentro de cada um de nós um mundo imenso, renovável, mutável, que raramente chega à superfície da pele ou da voz. Pouco do que eu digo sai como eu penso. E eu digo pouco do que penso em dizer. E para piorar, aquilo o que digo ou escrevo ainda será interpretado aos olhos de outra pessoa. Há razões, mais nada.

Sorte de hoje: A ausência total de humor deixa a vida impossível

Um comentário:

Eva disse...

Que te aconteceu! Nuvem negra!